sábado, 23 de agosto de 2008

Excretas

Alma sebosa, espírito de porco, estraga prazeres; são diversas as alcunhas destinadas a quem vive semeando a discórdia, criando futricas, provocando sérios conflitos. Acontece nos mais diversos meios, no ramo policial não poderia ser diferente, sendo isso observado facilmente em situações como as adiante exemplificadas: em meio a um ambiente onde estão reunidos oficiais e praças, alguém profere comentários maledicentes sobre hierarquia, disciplina, estabelecendo rótulos ou insinuando segregação. O clima amistoso nos contatos entre policiais civis e militares é comum, por questões diversas, mas a boa convivência tende a ser mantida, salvo quando uma das partes insinua estereótipos da outra classe, destacando excessões como erros e desvios que acontecem nas corporações, criando infindável discordância. Em meio a salutares e calorosas discussões sobre policiamento, idéias inovadoras, momentos de motivação, entusiasmo e vibração, surge o inoportuno medíocre que visa abalar o moral de todos com frases como "Eu quero é dinheiro no meu bolso", limitando sua vivência à escravidão mercenária que se estabelece na vida de quem passa a suportar amargura e sofrimento durante 30 dias para que no último venha a ser remunerado com um salário do qual não é digno sequer da metade, mas ainda que dobre ou triplique, nunca será suficiente para as ambições levianas daquele ordinário. São pessoas que já estão mortas em sentido figurado, sua existência limita-se a uma sobrevivência vegetatitva e bitolada, escravidão monetária. Desaparecem os sonhos, as metas, os ideais, restando apenas um corpo físico e uma mente decomposta.

6 comentários:

Anônimo disse...

Olá, Victor.

Sou uma cidadã comum e o que sei da polícia é um pouco menos que assistimos em Tropa de Elite. Profissionais mal remunerados que aceitam a corrupção como forma de sobrevivência, ou simplesmente passivos a um sistema distorcido, banalizado como parte da cultura brasileira. Vítimas ou culpados, todos engolidos pelo sistema corroído de ética. Evidentemente que existem exceções e é nelas que eu aposto, que foco para almejar um mundo onde bandidos e mocinhos estejam em lados bem definidos e opostos, onde a justiça seja feita e a violência reduzida a zero.

Parabéns por sua capacidade e coragem de dizer o que pensa.

Não perca sua motivação.
Conquiste seus ideiais.
Certamente teremos um mundo melhor.

Todos nós precisamos de uma polícia... para ajudar e proteger.

José Ricardo disse...

Sonhos e ideais são importantes, sim.

Mas o dinheiro no bolso no final do mês também não é?

Se a pessoa ganha mal, ela se sente desvalorizada, desmotivada. A maior motivação é o dinheiro, sim. Eu não trabalharia na polícia para ganhar salário mínimo. O senhor trabalharia? Acho que merecemos muito mais, e muitos do que ganhamos.

No começo da carreira, existem muitos sonhos, ideais, metas... Com o tempo, isso vai se esvaindo quando o profissional percebe que não conseguiu adquirir casa própria, não tem carro, vive em dívidas, não consegue dar o que queria para os filhos...

Esse negócio de sonhos, ideais, metas... Isso tudo vai se esvaindo...

Com mais de seis anos na profissão, não nego que já estou cansado de instruções semanais e de treinamentos nos quais se discute policiamento, idéias inovadoras... No final, tudo se reflete em mais serviço e cobrança para quem está na ponta da linha.

Não nego que meu entusiasmo é o último dos 30 dias, no qual eu recebo parte do meu salário (boa parte dele fica retida no cheque especial) e posso pagar as minhas contas. Na metade dos 30 dias seguintes, o salário já acabou.

Não é fácil ficar ouvindo pessoas falando, falando, falando, e você sabendo que está apertado financeiramente, sabendo que precisa comprar isto e aquilo e mais aquilo outro, mas não tem dinheiro. É difícil dormir sabendo que seu cheque especial já estourou, que...

Eu sou uma alma sebosa, um espírito de porco...

Victor disse...

Respeito muito sua opinião, concordando inclusive que o entusiasmo do início da carreira dificilmente é mantido ao longo dos anos, o tempo costuma gerar certa acomodação na maioria. Sabe-se que diante do risco que um PM enfrenta na atividade operacional nas ruas, a remuneração não é condizente, contudo vale lembrar que a avareza humana corrói mentes, muitos querem alcançar patamares de poder aquisitivo muito além de suas condições, e se endividam para ter carro zero, TV de plasma, celular da moda, etc. Não é todo mundo que "se aperta" para manter as despesas básicas em dia, há muitos pródigos espalhados por aí. Isso é algo que jamais deve ser revertido como forma de prestar um mau serviço.

José Ricardo disse...

Eu não falei em TV de plasma, carro novo, celular da moda, etc. Eu não tenho nada disso. Eu falei em coisas que deveriam ser acessíveis a todo cidadão: Carro (não precisa ser novo, não. Quando um familiar seu passa mal que você percebe a falta que faz), casa própria, educação e roupas para os filhos. Disso que eu falei.

O tempo não gera acomodação em todos. Na maioria, talvez sim. Mas eu conheço muito policiais que são entusiasmados/motivados mesmo estando há muito tempo na polícia. Confesso que não sou mais um destes; já fui, hoje não sou mais. Sou um profissional, apenas. O policial motivado é muito mais que um profissional; ele é um herói da resistência. Mais eu precisaria escrever um livro de muitíssimas folhas para falar sobre isso.

Não quero desestimular/desmotivar ninguém, uma vez que também somos clientes do nosso próprio serviço.

Mas sem dinheiro no bolso, sem ter coisas básicas que um cidadão deseja, é difícil manter o entusiasmo, os ideais...

Graças à muita luta, à morte de um Cabo PM, no meu Estado o RDPM já foi abolido há muito tempo. Talvez por aí, na Bahia, onde ele ainda vigora, alguns profissionais ainda reclamem de algo como hierarquia, disciplina, militarismo, segregação e preconceito entre praças e oficiais...

Mas eu não quero que senhor nem ninguém perca a motivação. Só acho difícil mantê-la com baixos salários.

E desejo muito que o senhor conquiste seus ideais, contanto que se revertam em benefícios para toda a tropa.

Victor disse...

Já vejo que concordamos em alguns aspectos, seja na necessidade de dispor de um carro ou pelo menos moto para se deslocar, conforme costumo manifestar aqui no blog. Pelo que relata, também é dos que não desperdiçam fortunas em inutilidades, algo tentador hoje em dia. Já puxo do seu comentário uma outra questão, os filhos. Tem PM que compromete boa porcentagem da renda pagando pensão judicial pelos filhos que deixou por aí, cultivando um inexplicável hábito de constituir despreocupadamente diversas famílias. Ter quantos filhos e mulheres que achar que deve é um dos fatores que compromete muito a renda de alguns policiais, parcelas de aumento lhes rendem muito menos do que o real, em virtude da condição peculiar. Nesse caminho não há solução que dê jeito ao dilema.

Anônimo disse...

O problema do salario das Pms tem nada a ver com o militarismo. Nas Forças Armadas, o militarismo é muito mais rigoroso e eles têm grupos de pressão (Clube Militar, Associações de esposas, etc) que jogam duro no governo e sempre conseguem bons aumentos para a categoria.
Divisão de classes sempre vai existir em todos os lugares: o auxiliar de enfermagem nunca vai ganhar igual ao médico; o engenheiro vai ganhar mais que o pedreiro, que vai ganhar menos que o mestre de obras.O problema dos praças é a não aceitação de algo que existe até na quitanda da esquina: HIERARQUIA.
Podemos ganhar melhor, sim, mas somos mesquinhos. Fizemos uma greve em 2001 cujo objetivo secundario foi reivindicar salário e o principal alvo foi subverter a disciplina, como: fazer comandantes de refens, tentativa de estupro coletivo de pefens (ocorreu na 15ª CIPM), etc. Por isso, vibrei quando a polica paraou em julho de 2001 e vibrei mais ainda quando o BPChq entrou metendo bala no 8° BPM em dezembro de 2001: reivindicação salarial e banditismo não são sinônimos.
Acho que os praças sofrem de "complexo de vira-latas", como diria Nelson Rodrigues, pois jogam a culpa de todas as mazelas nos oficiais no melhor estilo Sartre "O inferno são os outros".

 
BlogBlogs.Com.Br

'Digite seu e-mail:'

Fornecido por FeedBurner